Magro Waghabi, uma homenagem

Antonio José Waghabi Filho – o Magro do MPB4

Um dia ele propôs uma reunião aqui conosco. Tinha uma ideia, um projeto.

Chamamos logo nosso pessoal da área de desenho, quadrinhos, ilustração. Magro chegou com toda a simplicidade e simpatia que lhe eram peculiares. Um grande artista, ícone de uma geração e da luta contra a ditadura, ícone dos festivais, músico, arranjador, cantor, aquele que a gente só via nos palcos – e estava lá na nossa frente, pronto a partilhar conosco um de seus projetos.

Passamos horas conversando, querendo alinhavar algo que acabou não se concretizando na época. Ah, se soubéssemos que nada poderia ter sido adiado… que não haveria outro tempo.

Mas após essa reunião o Magro não se afastou, muito pelo contrário, na época criou um interesse espontâneo pelas Artes Visuais.

Magro e esposa em evento da GARE Cultural no Shopping Sta.Cruz – 2004

Participou dos eventos e vernissages, nos honrando com sua presença em diversas ocasiões.

Magro na abertura da Exposição de Arte Infantil em 2007

Magro conversando com Dumas – 2011

Magro e Dumas – Exposição de Dumas 2011

Sua curiosidade e ímpeto criativo o levou a fazer aulas de Desenho de Atelier aqui conosco em 2011 – nosso grande privilégio.

Magro em aula no atelier

Estudou as cores e suas misturas – não sossegou enquanto não achou a “cor do ovo caipira”… tantas boas lembranças deixou por aqui.

Encantou-se com o pastel seco, estudou Degas, Matisse.

Magro estudando Degas

E produzia muito, em casa, em aula, onde fosse.

Abaixo alguns dos estudos que fazia em casa, de observação, e que publicou em seu Flickr durante o ano de 2011.

Prato com frutas

Vasos e flores

Flores 2 (pastel seco) – Abril 2011

Um canto no jardim

Pipoca – Abril 2011

Jardim

Da observação passou à memória. Começou a resgatar paisagens de sua infância na cidade natal – Itaocara.

Memória 2

Produziu também de memória belos desenhos em bico de pena (em outra ocasião colocaremos aqui).

Conforme foi caminhando, aventurou-se por desenhos com mais interesse pela  cor, e materiais como aquarela em técnicas mistas.

Casas de vila

Marinha 2 – maio 2011

Um grande artista que se queria ainda mais artista, que se aventurou por um horizonte ainda mais amplo; um talento que não se cansou de explorar e reiniciar, a cada nova imagem, a cada nova conquista, uma alegria; e com uma fina percepção, encarava com toda a seriedade qualquer momento de estudo, questionando os “comos” e “por quês” do desenho, da forma e da cor.

Magro, neste dia em que se completam os primeiros 7 dias de sua partida, nós que aqui ficamos prestamos nossa homenagem, agradecendo o privilégio de podermos ter convivido com você, e de humildemente ter partilhado contigo algo sobre o arranjo de cores e formas, justo a você, grande mestre dos arranjos musicais!  Descanse em paz!

%d blogueiros gostam disto: